Baile de Máscaras

Hoje vou dormir com todas as luzes apagadas. Hoje, se pudesse, apagaria até o luar, já que meu medo não é mais de escuro. É medo das pessoas. É medo de gente, de decepção. O perdão vem e a decepção não vai. Não paro de pensar de que os dois deveriam ir em um mesmo trem, de mesmo sentido. De que as coisas e todo o sentimentalismo andariam bem, obrigada. Desde que dessa forma. Mas não, são duas coisas as quais insistem em andar em tempos complexos. E separados. Não há paralelismo, além daquele que se estabelece quando são criadas juntas. O fato é o que sinto hoje. Leva-se tempo para confiar. Inclusive para botar fé nas verdades que a vida te mostra constantemente e exemplifica a todo momento. A granja de monstros em volta, de todos os tipos. Objetos monstros, lugares monstros, pessoas monstros. Máscaras monstros. A verdade é que decepção, frustração, não se sana com perdão. Aquela imagem permanece na cabeça, desejando que nada daquilo tivesse acontecido. O quadro se assemelha a um Monet, de traços distorcidos, mas faz todo o sentido. Tem o momento do insight. São os monstros de máscaras, que te enganam até certo ponto. Só até certo ponto. E a bebida entra, a verdade saí, passa dia, passa noite, e os amargurados continuam no direito de passar por cima de todos. Porque são amargurados. E vão continuar sendo, embora muito brevemente tenham a sensação de que estão no topo do mundo. É o fado e o conforto. O único conforto de uma vida vazia e pacata. Argumentam: qual pacatez? Sempre melhor. Frustrados. Monstros de máscara. Amizade, qual é essa? De costas está. Descaradamente de costas. Não se deixa acreditar. Te faz chorar. Te dá um tapa, te cospe a cara e te expõe. Confunde intimidade e liberdade. Por fim sobem ao pódio, se fazem de ouro e todos sabem, no fundo, da farsa. Ele sabe da própria farsa. Então segura esse troféu, doce e lentamente, que troféu melhor para você não há. E tenha certeza de que leva essa máscara presa ao rosto. Para sempre. Não há dúvidas que as portas se encarregam desse medo escancarado. Mas dessa vez, em paz. Na distância e em paz.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s