Arquivo do mês: setembro 2013

E agora o amanhã, cadê?

Tenho um amigo de quem sempre tenho saudade. Dele e de mim. E de como sei ser eu quando estou com ele, sem medo de ser feliz. Ás vezes me bate uma época de falar de futilidades, de viver a vida a fundo, de esquecer do mundo. E de mim. Vivem repetindo por aí que só se dá valor quando perde, e hoje tudo que eu sei é que precisamos de cuidado para não nos perdermos da gente. Essa perda vem, irremediavelmente, cheia de sequelas. Quando se é tempo de recuperar, porém, os remédios chegam de modo prazeroso e pleno. Recuperamos a consciência e prometemos não entrar de novo no buraco negro, ao menor e maior espanto, lá estamos de novo, a aguardar na guia, sem sinal, sem fim. Meu conselho, amigo, é não buscar a felicidade, ou a solução. Não opte pelo indolor, ou por tudo que passa indiferente pelos olhos. Vá, sofra, e entre a fundo na busca certa. Vá te buscar que já é tempo, e eu também vou indo.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Doce de vida

Pulei na cama fofa e caí sentada. Joguei meus morangos para o alto e fiz deles uma chuva bonita. Depois soltei os confetes, jujubas, chocolates e suspiros. Suspiro. Por um momento me vi cansada só por estar ali. E então resolvi desaparecer em um lapso de tempo, enquanto posso usar o “por enquanto”. Não é hora de decidir, é hora de deitar e esperar passar. Me obriguei a aceitar que as vezes a única solução é esperar que ela chegue na sua cabeça, bata na porta e devolva tudo o que você jogou para o alto e estava esperando voltar multiplicado. Sendo assim, estou a esperar uma vida carregada de momentos dóceis.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O plural do Adeus

Bati o dedinho na quina. Doeu como o quê. Cortou. Te pedi um esparadrapo, estanquei o sangue e colei. Bem ali em cima do corte, foi de pronto: colei. Já não tinha dor. Já não tinha você. Nem tinha como sentir saudade do que não era meu. Jeito um ou outro, sempre estará para dentro de alguma forma. E então sorri, abanei a mão e disse adeus. 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

As flores de Setembro

Eu passava ali, naquele corredor de esperança, todos os dias. Involuntariamente, por ser parte do caminho, embora pense que se não fosse, forçaria a passar. As flores choviam da árvore, e elas eram brancas. Deixavam vestígios cor de neve no asfalto marrom sem vida. Elas estavam ali caídas, e apesar de não terem suas próprias vidas consigo, davam vida a tudo ao redor. Então pensei que vida não depende de vida. Dar vida a algo ou alguém não depende do seu viver. Do seu estado de espírito. Afinal, ali estava a prova, as flores mortas embelezando todo mundo em volta. Todos com seus respectivos olhares fixados em trajetos até o trabalho as sete da manhã, ou imaginando suas casas às seis da tarde. Tudo aconteceu de tal modo que ninguém parecia prestar muita atenção naquilo. E eu? Eu que prometia todos os dias parar ali para tirar uma foto da cena. Elas estavam mortas. Elas mereciam algum prestígio, o qual não recebiam de almas pairadas da vizinhança. Só que hoje passei ali de novo. E não tinham mais flores no chão, muito menos na árvore. Ela estava seca e morta. Bonita ainda assim, mas uma beleza bem menos esperançosa e mais peculiar. Aquela beleza que a gente precisa olhar de perto e observar como um todo para poder notar, sabe? Foi então todo o meu caminho percorrido acompanhado de filosofias vãs. Nada nos espera. A vida não espera. A fotografia não espera você ter tempo. As pessoas não esperam. E pelo visto, tão pouco a morte ou as flores mortas. Tenho de certa, porém, que nascerão novas flores. Pelo ciclo, estariam ali em algum momento, a embelezar certa fatia de vida. Mas do erro passado, devo mentalizar de que elas não vão me esperar. Hoje quando passei, só tinham no asfalto galhos secos e duas pombas. E eu me dei conta de que não era nada disso que eu queria. Eram só as flores que deixei passar.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Nas nuvens

E que sentada na grama, esperei não ter insetos em volta. Nem borboleta. Não é porque é bonita que deveria estar ali. E que olhando para o céu decidi que não sei se quero lidar com o orgulho das pessoas. Tenho dúvidas sobre querer sentir qualquer coisa. Não sei o quanto quero gente que não valoriza a própria terra perto de mim. Nem sei se sinto. Se volto a sentir ou me deixo ir embora, muito embora, assim, contudo, seja um caminho sem volta. Então pensei por um instante que só queria uma jabuticaba, o sol e a grama. E aí dei de costas para os meus pensamentos. As vezes nós não devemos mesmo dar tanta atenção a eles.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A queda

Por medo, faço prece. De medo, não me jogo. Dói. Pedi para o coração aquietar e parar de bater um pouquinho. Hoje cansei do medo e só espero cair em um caminhão de morango com chocolate, porque de resto, tanto faz. A queda também depende do referencial.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

E aí

Daquela que acredita que quando não se sabe o que fazer, se faz torta de morango com chocolate para comer no prato riscado, sentada na varanda e o sol dando tchau, só para variar. Por sinal, eu aceno de volta. 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized